"" A Saúde e Beleza De Suas Orquídeas: A Beleza e A Forma De Cuidar De Suas Flores

sexta-feira, 26 de maio de 2017

A Beleza e A Forma De Cuidar De Suas Flores

Não importa a espécie, o tamanho, a cor ou o perfume, nós simplesmente não vivemos sem nossas queridas orquídeas. Elas alegram nossas casas, embelezam nossas mesas, presenteiam nossos amigos e arrancam suspiros e sorrisos. Enfim, orquídeas nos encantam e isso não é bem um segredo por aqui, não é mesmo? Porem você sabe a maneira correta de como cuidar de orquídeas?

Mas o que fazer quando a floração dessas lindas plantas termina?


Há algum tempo, falamos aqui sobre como conservar suas orquídeas para sempre e um dos temas que mais despertou curiosidade foi o que fazer com a haste floral. Devemos cortá-la ou não?
Nosso querido Sergio Oyama Junior, do maravilhoso Orquídeas no Apê, pesquisou a fundo o assunto e, a seguir, nos dá valiosas dicas sobre como proceder neste momento.

Para Sergio Oyama, a reposta para a questão sobre o que fazer com hastes das orquídeas após a floração baseia-se em três pontos fundamentais:

1. Qual é a orquídea?


Para se decidir sobre o destino de uma haste, é importante saber com que espécie de orquídea se está lidando. A maior parte das orquídeas floresce apenas uma vez ao ano e suas hastes não voltam a dar flores após o término da floração original.

Algumas orquídeas, no entanto, particularmente as híbridas, podem florescer por mais de uma vez na mesma haste. Dentre elas, as mais conhecidas são as do gênero Phalaenopsis, cujas flores lembram as asas de uma mariposa e sobre as quais falamos aqui. Outra orquídea que apresenta esta característica é a Tolumnia, típica das ilhas do Caribe.

Tratando-se de espécies como as acima, é possível obter uma segunda floração na mesma haste. Algumas orquídeas, quando bem cuidadas, passam meses a fio florescendo assim. No entanto, este bônus não acompanha todas as espécies existentes.

2. A vontade da orquídea


Após a última flor cair da haste, a própria orquídea irá “decidir” o que deve ser feito a seguir.
Ela pode considerar sua missão cumprida, hipótese em que a haste simplesmente seca. No ano seguinte, na mesma época, outra haste irá nascer e florescer, a seu devido tempo.



A orquídea também pode decidir manter a haste floral ativa. Neste caso, novas ramificações nascem a partir das gemas dormentes (aquelas pequenas saliências ao longo da haste). Elas produzirão uma nova floração que, no entanto, costuma ser mais comedida, com um menor número de flores que a original, porque a floração requer muito da planta, podendo, inclusive, debilitá-la e até mesmo fazê-la morrer. Normalmente, na natureza, existe um período de descanso entre uma floração e outra.

Existe, ainda, uma terceira possibilidade. A orquídea pode produzir um keiki (significa bebê, em havaiano) a partir da haste floral antiga. Neste caso, o pequeno broto desenvolverá raízes e poderá ser destacado da planta mãe, produzindo sua própria floração no futuro.

3. A vontade do dono da orquídea


Muitas vezes, percebemos que a orquídea não está bem, seja pela aparência das folhas, seja pela aparência das raízes. Neste caso, é interessante cortar a haste por completo, de modo a impedir uma nova floração logo em seguida – o que somente debilitará ainda mais a planta.

Cortar a haste por completo é uma forma de dar um período de descanso à orquídea e proporcionar uma nova e revigorada floração no ano seguinte. Para tanto, corta-se a haste rente à base e, na época apropriada, uma nova haste floral surgirá carregada de flores organizadas em fileiras paralelas e simétricas – isso raramente ocorre nas florações secundárias.

No entanto, caso a intenção seja manter a casa florida por mais tempo, é possível realizar procedimentos que estimulem o reflorescer de uma haste antiga: preservar a haste e esperar uma eventual floração é um deles. Um outro – que visa acelerar o processo – é cortar a haste na altura da terceira gema (a saliência, contada de baixo para cima).



É importante lembrar, contudo, que o corte na altura do terceiro nó não garante uma nova floração. Pode ser que a orquídea emita um ou mais keikis, que, em vez disso, ela emita hastes florais secundárias ou, ainda, pode ser que nada aconteça.

Existe, ainda, um mito de que canela em pó no corte da haste estimularia uma nova floração. Na verdade, este procedimento apenas impede infecções oportunistas na área do corte, já que a canela possui propriedades antissépticas. A nova floração, contudo, não é garantida.

Esperamos que, a partir das observações acima, vocês consigam decidir com segurança como proceder após a floração de suas orquídeas. E que venham muitas e muitas outras florações pela frente!

Fonte: http://www.vamosreceber.com.br/2015/05/06/como-manter-as-orquideas-apos-a-floracao/

Nenhum comentário:

Postar um comentário